Síndrome de Burnout na área de saúde

Síndrome de Burnout na área de saúde

A síndrome do burnout é o resultado do acúmulo de estresse no ambiente de trabalho.

Ela se caracteriza pela apresentação de três fatores marcantes: a exaustão emocional, a despersonalização e a redução do sentimento de realização pessoal.

Ainda que a síndrome possa se apresentar em qualquer posto ou área de trabalho, o foco da nossa conversa está nas equipes de saúde.

Burnout na área de saúde

Enquanto vivemos a crise sanitária alavancada pela pandemia do coronavírus, percebemos o aumento agudo de profissionais de saúde acometidos pela SB (Síndrome de Burnout).

O excesso de horas de trabalho, a situação de encarar um inimigo desconhecido, os riscos e perdas e equipes inteiras sob pressão são os fatores de agravamento na atualidade, embora a SB também já fosse presente na área de saúde antes dos eventos do último ano.

Como reconhecer o Burnout?

A literatura médica encontra algumas dificuldades no reconhecimento da SB, mas é possível verificar, ainda assim, elementos que, juntos, expõem com clareza a condição.

Exaustão emocional

A exaustão emocional é aquela que vai além do cansaço. É o esgotamento dos recursos físicos emocionais como uma constante, independentemente de estarmos no início ou final de uma jornada de trabalho.

É quando um médico chega à conclusão de que não possui condições de atender seus pacientes como fazia antes, com a mesma disposição e energia.

Despersonalização

Além dela, a despersonalização é um dos pontos mais relevantes. Ela é expressa por um cinismo, uma indiferença frente ao trabalho e tudo o que o cerca.

É uma perda gradual de interesse e empatia, provocando uma indiferença em relação ao trabalho, com insensibilidade afetiva e afastamento dos pacientes e colegas.

De forma prática, isso se vê na perda de interesse do profissional pelos seus pacientes, afetando na qualidade e segurança do atendimento, além de isolar o acometido pela SB de seus pares, na medida em que pode passar a lhes dirigir comentários não profissionais.

Redução da realização pessoal

Por fim, a autoestima desaba. É o último fator de relevância que considera a redução da realização pessoal e uma reavaliação negativa do sujeito profissional.

Neste momento, verifica-se uma diminuição do sentimento de segurança e competência, afetando mais uma vez nas relações pessoais, na sua capacidade de interagir com os outros.

Nada é imediato, mas a síndrome é urgente

A SB não surge do nada. Ela é um acúmulo de estresse constante e intenso por um período de tempo.

Este estresse se manifesta em nosso organismo sob a forma de sintomas menos evidentes e/ou relacionados ao que falamos anteriormente, o que contribui para o diagnóstico tardio da Síndrome.

Assim, aos poucos, os acometidos pela SB podem relatar falta de atenção, alterações de memória, lentificação do pensamento, sentimentos de alienação, solidão e impaciência, além de insônia, fadiga constante, tensão muscular, dores de cabeça e problemas gastrointestinais.

É preciso estar atento aos sinais do corpo para esta e demais questões decorrentes do estresse.

Causas da Síndrome de Burnout na área de saúde

As causas para a síndrome são diversas, mas podem ser encaradas por função e área de atendimento.

Considerando um ambiente hospitalar, os médicos e enfermeiros de UTI que trabalham longas horas, lidam com pacientes graves com ou sem recuperação, alterações de carga horária e equipe reduzida acabam por desencadear uma carga constante de desgaste físico e emocional.

Além disso, há o próprio trabalho em equipe como fator de estresse, ao conviverem em ambientes de tensão constante que envolvem situações delicadas e extremas de pacientes e seus familiares.

As responsabilidades individuais e as diferenças de cada profissional são fatores de conflito e tensão, provocando a despersonalização e a redução da autoestima.

Consequências no ambiente de trabalho da área de saúde

Embora a SB, conforme ressaltado anteriormente, possa ser percebida em demais profissões, é na área de saúde que as consequências podem tornar-se graves para todos.

Em escala individual, é possível verificar distúrbios individuais, tais como transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), abuso de álcool, queixas psicossomáticas, uso de drogas, depressão e ideação suicida, além das alterações de comportamento referentes à insatisfação no trabalho, a falta de comprometimento e o desejo de abandonar o trabalho.

Nas situações mais graves, verificamos resultados ruins nas medidas de segurança ao paciente e erros médicos.

Como prevenir a Síndrome de Burnout

As maneiras encontradas de redução da incidência de Burnout normalmente concentram-se em ajustes nas áreas de trabalho e na própria conduta do indivíduo.

Assim, é preciso que os gestores atentem para as condições de trabalho que oferecem, buscando a promoção de alternativas mais saudáveis a todos, como a regularização de turnos e horas trabalhadas, reformulação de equipes, incentivos a pausas, além da promoção de movimentos de suporte à saúde mental.

No âmbito individual, é preciso estabelecer os parâmetros de saúde, com a prática de atividades físicas, o desenvolvimento de hobbies, a regularização do sono, da alimentação e de atividades de lazer, além do acompanhamento psicológico.

A Spazio Psi oferece acompanhamento psicológico para a Síndrome de Burnout e demais transtornos provocados por estresse, depressão e ansiedade no cotidiano.

Entre em contato.

Add Your Comment